Quarta-feira, 21 de Novembro, 2007

Lidar de perto com a morte é sempre traumático e infelizmente toda a vida me lembro de ser para mim um problema ao qual sempre tentei fugir. Agora,  finjo encarar  este acontecimento como qualquer adulto, mas fico sempre durante alguns dias após, com fluídos negativos que me transtornam física e moralmente.

Ontem teria sido um dia de agradável passeio com as minhas amigas, senão tivesse  havido ( um acontecimento triste). Assim sendo não há como viver-se dia após dia.

 

 

Palavras repetidas

 

 

 

Meus sentimentos, têm acessos de melancolia

Fica o papel em branco, o verso vazio

Como fica solitário o meu dia!

Transpôr os meus limites, um desafio.

Tudo hoje me desencanta!

Meu cérebro só pensa em coisas loucas

Até meu coração se espanta

Como se a melancolia e a tristeza, fossem coisas poucas.

 

 

Tenho gastos os olhos e as palavras

As mais ousadas, ficam-se pela boca

E assim vão morrer, embora bravas

Fechadas, numa concha oca.

Meu pensamento é uma floresta que arde

Súbitamente, das cinzas vai renascer

Termino o poema antes que seja tarde

e a pobreza de ideias me faça desvanecer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por rosafogo às 20:55

mais sobre mim
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

7
8
9
10

11
15
17

24

25
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro