Sexta-feira, 23 de Novembro, 2007

Este poema de hoje já não é novo, já foi lido e relido umas quantas vezes, sempre na dúvida de o inserir ou não . E também porque ainda não lhe tinha dado nome.É um desvario todos querem sair.

 

Por uma lágrima caída

 

 

 

 

Por cada lágrima caída

Por cada sonho, em que acreditei

Meu olhar me abandona

Mas não me resignarei!

 

 

 

 

Invento a felicidade, como outrora

Seco as lágrimas e vou sonhando

Dentro do peito o amor ainda mora

Nas minhas veias, vai o sonho palpitando!

 

 

 

 

 

 

 

Por cada lágrima caída

Persiste a minha vontade

Levanto-me, faço frente à Vida!

 

 

 

 

 

 

 

 

Invento razões, ponho o medo de fora!

Meus olhos, já só choram de saudade

É meu o tempo, é minha a hora!

publicado por rosafogo às 22:55

mais sobre mim
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

7
8
9
10

11
15
17

24

25
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro