Quarta-feira, 12 de Dezembro, 2007

Os dias são cada vez mais pequenos, e os afazeres mais que muitos.

Então , com tanta falta de tempo, hoje escrevo apenas um poema.

 

 

 

 

Ruidoso silêncio

 

 

 

 

 

Tinha nas mãos a esperança

Com elas, pegava na ilusão

Mas arredei a lembrança

E perdi-me na solidão!

 

Gritei e ninguém me ouviu!

Olhei e não restava nada. Então!?

A minha esperança não resistiu!

E a ilusão foi neve de Verão.

 

Pode morrer-se de dor!

Perder-se a esperança, perder-se a vida!

E as mãos ficarem vazias, sem calor!

 

Esta vida, eu trato sem rodeios

Parecendo transparente, clara, vivida

É apenas um ruidoso silêncio de receios!

publicado por rosafogo às 15:41

mais sobre mim
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

10
11
13
14
15

16
17
19
20
21

24
25
26
27
29

31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro