Sábado, 05 de Janeiro, 2008

Com  passos de lã a chuva chegou e logo se fez acompanhar por rajadas de vento uivante, parecendo trazer com ele alguma desgraça, como já fez por outras paragens.

Deixando assim,estes dias desbotados que nos deixam ainda mais no vazio.

 

 

A margem do meu rio

 

 

 

Solto-me da margem do meu rio

Sigo na corrente em segurança

Deixo obstáculos, emerjo do vazio

Faço da Vida uma corrente de esperança.

 

 

 

Procuro o desenlace desta trama

Não quero ser fantoche do destino

O amor é bálsamo, só é feliz quem ama

Volto às àguas, com um correr mais fino.

 

 

 

Basta um impulso do coração

Sigo a maré, hasteio meu sentimento

Enfrento  o medo e a inquietação!

 

 

 

 

Solto-me da margem do meu rio

Saio , deixo tudo no esquecimento

Enfrento a existência e seu vazio

 

publicado por rosafogo às 15:32

mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
3
4

6
7
8
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
25
26

27
28
29
31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro