Quarta-feira, 30 de Janeiro, 2008

A vida nem sempre é fácil, às vezes é mesmo violenta! Aos poucos o Outono vai-se transformando no Inverno e ficam-nos as recordaçoes  que são a nossa maior herança são um rio,  sem fim , onde se navega ora em calmaria ora em tempestade.

Hoje projectei-me para a minha infância, onde eu acho que há histórias bonitas e fiz mais um poema à minha aldeia.

 

 

 

Se te recordo

 

 

 

 

 

Minha aldeia de formosura e simplicidade

Escrevo-te este poema com ternura

Num frenesim que se agiganta com a saudade

Da criança de vento,de júbilo e loucura.

 

 

Se te recordo é porque ainda te amo!

No teu regaço tens o ouro da minha infãncia

Numa cadência quente, ainda por ti chamo!

Invoco o teu calor amigo, numa rendida ãnsia.

 

 

Resgato da memória o teu odor molhado

O fresco alvor das tuas madrugadas

E sinto o pulsar do coração apertado!

Porque tenho, tantas saudades guardadas!

publicado por rosafogo às 13:10

mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
3
4

6
7
8
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
25
26

27
28
29
31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro