Domingo, 04 de Novembro, 2007
Fazer poesia , é como possuir qualquer coisa de meu,que posso repartir com quem gosta.

Dia a dia , agradeço humildemente a Deus, por conseguir através dela uma grande serenidade.

A vida que às vezes é uma ilha de desespero, torna-se num céu sem nuvens.

Hoje ao contrário do poema de ontem que já não era recente, vou publicar o ùltimo, que aqui deixo.

 

 

Estranhos

 

Tão apressada a Primavera da Vida!

É trovoada de Verão, que logo passa

Chega-se ao Outono com a alma caída

É o Inverno que chega e amordaça.

Como pedaço de vidro estilhaçado

Fica a Vida como noite escura

É uma tristeza, triste por se ter passado

a vida a correr, cheia de amargura!

Estranhos, nos sentimos... àgua de trovão!

Fortes éramos sempre tão esquecidos

Que um dia pára, não bate o coração.

 

Tão apressada a Primavera da Vida!

Custa a aceitar, ficamos deprimidos

Surge então o crepúsculo na mente esquecida.

publicado por rosafogo às 17:24

mais sobre mim
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

7
8
9
10

11
15
17

24

25
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro