Quarta-feira, 03 de Dezembro, 2008

É verdade, chegou a gripe e de facto  vão-se esgotando os recursos do corpo.O corpo é comparável com um rio, acaba sempre por perder as suas aguas, que se vão escoando lentamente. Chega também o tempo em que já se perdem as palavras e com elas vão-se

as ideias.

 

Como da primeira vez

 

Sinto os seus dedos sobre o meu rosto

Amamo-nos como da vez primeira!

E no encanto do momento havíamos posto

Os olhos nos olhos na noite  inteira.

 

O tempo parou e é nosso o Mundo!

Unidos no silêncio, então nos amámos

Caímos num sonho belo e profundo!

 

Fico no teu corpo, como vencida flor.

Aí é meu lugar, aí descanso e habito

Ao meu te entregas com paixão e amor

E numa loucura feliz, soltámos um grito.

 

Então, nessa tempestade de paixão!

Nossos pensamentos estão ausentes

E se em cada manhã renasce a criação

O amor nasce em nós, como água nas nascentes!

publicado por rosafogo às 14:40

mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
5

8
10
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
24
25
26

28
31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds