Quinta-feira, 20 de Novembro, 2008

 

 

Os afectos mesmo depois de mortos, regressam sempre á nossa memória, mesmo esquecidos com o tempo, há sempre um dia que renascem. 

Hoje lembrei de mim, menina ollhando a Lua, voltei à infância, menina alegre, delgada,

dançarina, vivendo sempre numa caixinha de som, sonhando abraçar as estrelas e ter alguém com quem dividir a alegria.

Sonhava ser pássaro migrado, pousar num lugar distante, num cantinho por mim imaginado ser livre e feliz. 

 

Só eu falo

 

Cala a tua voz e ouve a minha

Na hora em que me encosto ao teu peito

Que a chama do amor, já se adivinha!

E é dizendo que te amo, que me ajeito.

 

Cala a ua voz e ouve um pouco

Do que te digo eu nesta hora

Por ti fica o meu corpo louco!

Na espera dos teus gestos, sem demora.

 

Cala a tua voz, ouve o desejo

Que se torna angústia, dentro de mim

Agora que te sinto, também vejo!

Que o teu desejo é amar-me assim.

 

Cala a tua voz. ouve o que digo

Neste meu jeito, nesta minha inquitação

Apaga a saudade, vem ter comigo

Ouve o que p'ra dizer tem meu coração.

 

 

 

publicado por rosafogo às 17:26

mais sobre mim
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
5
6
7

11
12
13
14
15

16
17
18
19
22

23
25
28

30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro