Segunda-feira, 05 de Janeiro, 2009

 

Estive três dias na aldeia,sem ver o sol, de lareira sempre acesa e um silêncio absoluto.

Creio que as pessoas raramente saiem à rua, daí não se ver nem ouvir vivalma.Convergem

nesta aldeia as águas das ribeiras de Raia e  Soure, formando o rio Sorraia,local onde se

tiram belas fotos e também daí se vê o  mais bonito pôr do sol, alguma vez visto.Já agora fica o nome da aldeia - Sta Justa mesmo ao lado esquerdo do Couço, às portas do Alentejo.

 

Quero tempo p'ra sorrir

 

 

Caminho às cegas à luz do dia

Caminho com a minha cegueira

Minha alma, já sinto fria

Solidão é minha companheira.

 

Meu corpo, curvado

Lembranças em agonia

Meu rosto atormentado

É resto de velha fotografia!

 

Levo meu ventre vazio

Onde outrora houve vida

Vai a Vida por um fio

Já me leva de vencida!

 

Esperança é suspiro de aragem

Que levo em forma de solidão

Mas a Vida requer coragem

E há sempre um gesto, uma mão!

 

Não deixo marés me arrastar

Viagem sem regresso?Não quero ir!

O gume do tempo vou quebrar

Quero ter tempo p'ra sorrir!

 

 

publicado por rosafogo às 21:27

mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
7
8
9
10

11
12
15

18
19
20
22
23
24

27
28
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro