Terça-feira, 03 de Fevereiro, 2009

Desde o início deste blog, que postei nele 107 poemas. Ontem domingo dei uma voltinha lá bem ao começo e confesso que gostei  de todos como se eles fossem meus filhos.Quem

consegue gostar mais dum filho que de outro?  Escrever faz bem é um bom exercício e eu

coloquei neles a minha alma e a minha força que não sei de onde me vem.Reconheço que são palavras simples mas aos meus olhos sempre belas.Pena tenho de não saber colocar

fotos de desenhos feitos por mim nos espaços vazios de cada post.

 

Sentada à beira do caminho

 

Sento-me à beira do caminho

Chego com meu passo cansado!

É o meu corpo e o seu estar sózinho?

Ou será o cansaço do meu peito vasado?!

Dói-me o que de mim perdi

Quem pode compartilhar o que sinto?

A quem importa a esperança ou o desespero que senti?!

Na crueza deste dia, p'ra mim um labirinto.

 

Sento-me à beira do caminho

Chego com meu passo cansado!

Trago lembranças que são burburinho

Mas que alentam meu coração mergulhado.

 

 

 

publicado por rosafogo às 00:54

mais sobre mim
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
4
6
7

11

15
21

24
26


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro