Terça-feira, 02 de Junho, 2009

Este mimo foi-me oferecido, pela amiga Maria João do Blog

POETAPORKEDEUSKER, é mesmo muito gentil, uma amiga de OURO.

 

Andava por aí a tentar ver alguns blogs da minha aldeia ou proximidades, querendo ver fotografias, mas não achei. Entretanto achei sim poesia muito boa, onde perdi parte da tarde rendida ao encanto das palavras.Não sei se mereço mas adicionei como amigo, pois dar-me-á pelo menos o prazer da leitura. Tenho pena de não ter fotos recentes da minha aldeia para poder concorrer a um desafio que se encontra no blog do meu amigo Carlos Alberto «umbreveolhar.» Seria óptimo concorrer com uma poesia, áquela bonita aldeia das LAPAS.

 

 

Para que quero ser?

 

 

Para que quero  ser?

Aquilo que já não sou?!

Se sou apenas o resto, por acontecer!

A cinza, o silêncio, a  que a Vida me votou.

Seca a memória há muito vencida

Vou apenas adiando a Vida!

Esperança?! Soltei da mão!

Mão vazia, onde só cabe a solidão.

 

Os sonhos há  muito perdi!

A vontade onde está, que não a senti.

Já não sou eu!

Sou só o passado, que me aconteceu!

Sou o peito, onde já não bate nada!

Sou a morte, mil vezes adiada!

Existo, como uma lágrima teimosa

Existo com espinhos como qualquer  rosa

Mas na Vida sou já Outono, que não se detém

Cumpro a sina, que não quiz mais ninguém!

 

Sou a história, na qual mil vezes tropeço

Nada sou, já mal me conheço.

Serão sinais de loucura?!

Ou saudades do meu Eu, na lonjura?!.

Para que  quero  ser?!

Aquilo que já não sou?

Se sou apenas o resto por acontecer!

A cinza e o silêncio, a  que a Vida me votou.

 

 

 

 

sinto-me: Amarga
publicado por rosafogo às 18:33

Lindo poema!
Rosa a tua alma tem de certeza impregnada a doçura que se lê em ti...por isso espanta para bem longe essa amargura e rende-te às estrelas que te vão embalar nos teus sonhos.
beijinho muito doce
anna
tangerina a 2 de Junho de 2009 às 19:42

Anna
Bem vinda, palavras doces as tuas.
Estas minhas poesias, são estados de alma ás vezes pouco iluminados, quando não consigo disfrutar das coisas boas da Vida. Mas são apenas momentos!O quotidiano é monótono e aí, fica-se a pensar no que não se devia, mas tudo bem.
Vou ter o maior prazer, em ir ler( ao que já ouvi dizer) , o que tu tão bem escreves.

Um beijinho grande
Natália

Bom dia Natália.
Os estados de alma, mesmo os menos iluminados são muitas vezes a ancora que precisamos partir, desfazer para se alcançar a graça da paz e serenidade, são momentos muito importantes em que cresce dentro de nós a maturidade de espirito( não a fisica pq essa acontece quer queiramos ou não), faz parte de nós todas essas etapas, vivências, ilusões, sonhos, angustia, amores, solidão, amizades..........toda esta lista de sentimentos e emoções é afinal e tão simplesmente a vida e para mim disfrutar da vida plenamente é aceitar e viver o bom e o menos bom.
Também eu e todos nós enquanto seres com emoções sentimos com frequência dias de pessimismo e nostálgia, o importante é não deixar prolongar esses sentimentos de maneira a que eles se acomodem no nosso espirito.
As poesias mais belas que já li na minha vida foram escritas em estados de alma....que procuravam a luz no tunel das palavras, as emoções que ficaram esqueçidas naquela gaveta lá em no sotão do coração.
E as tuas poesias são lindas, elevam-me e deixam-me a pensar e a sentir a vida.
Mas aqui nada disse que tu já não saibas...
Apenas queria dizer que não estás sózinha...mesmo que te sintas só!
Desculpa o comentário ser tão longo.
Já agora aproveito para dizer que adoro a música....nem imaginas a paz que me trouxe para começar mais um dia de trabalho.
Um beijinho muitoooooooooo grande.
anna
tangerina a 3 de Junho de 2009 às 09:35

Oi Anna

Tens razão em cada palavra que escreves, é realmente nestes momentos de nostalgia, que se consegue escrever poesia vinda do fundo da alma, acontece comigo, pela noite dentro a sós , apenas com a minha música. Nos restantes apenas leio, ou visito os amigos virtuais.Existe em cada um de nós todo esse conjunto de sentimentos e emoções , que amiúde temos necessidade de partilhar com quem nos compreende.
Acredito que quem vive a poesia sente com mais intensidade a Vida o seu passado e os acontecimentos que os rodeiam . Cresce em nós uma ansiedade de escrever sobre eles, e á força de o fazer, alivia-se o espírito, e a Vida continua, até porque eu sou uma pessoa alegre, e isto são apenas momentos que abarcam as minhas dúvidas, me deixam sensível, débil e por mais voltas que dê ao assunto volto sempre ao ponto de partida, a SAUDADE.
Fiquei feliz, que aqui sintas paz, te sintas bem, fico muito orgulhosa com as tuas palavras.
Te agradeço do coração.
Um beijinho carinhoso
Natalia

Olá bom dia Natália, se alguém aqui tem alguma coisa a agradecer sou eu amiga....porque me sabe muito bem beber a magia mesmo que nostálgica das tuas emoções, porque com elas também faço viagens à minha alma.
Eu tbm sou muito bem disposta, estou sempre pronta para a brincadeira, os meus amigos dizem que sou "tarada"..LOLOL.
Adoro que este meu lado infantil de criança viva colado ao meu coração.
Mas é como dizes......tenho momentos em que preciso mesmo de ir ás profundezas da minha essência.....para continuar na busca dos meus sentidos e emoções que são para mim das coisas mais belas que todos nós possuimos.
Bjo muito grande
anna
tangerina a 4 de Junho de 2009 às 10:14

Vamos prometer a nós próprias, que nunca vamos perder esta criança que há em nós?!
É tão bom , rir, partilhar alegria, eu também sou louca Anna, nem fazes ideia. Linda... obrigada pelos teus comentários,
também eles me fizeram feliz.

Beijinho grande
Natalia

Está prometido...ehehehehe
Beijinho muito grande
tangerina a 5 de Junho de 2009 às 14:21

Olá Natália!
Muito bonito o poema! Muito triste também! As saudades do “eu na lonjura” condicionando “o resto por acontecer”….
Sei que é só um momento e que amanhã será outro dia e esquecerá cantando e rindo…
Beijinhos
Maria de Jesus a 3 de Junho de 2009 às 01:21

Olá Maria de Jesus

Este poema tem inpregnado aquela tristeza habitual, da saudade sempre presente,de não conseguir alcançar aquela paz que já devia ter, e ficar vulnerável aos problemas que sempre me afectam.
Mas é como diz são só momentos, que farão o favor de não levar muito a sério, pois amanhã é outro dia e sinceramentte o de hoje que é « quarta-feira», como a amiga bem sabe, já foi um dia em cheio.Hoje li um no nosso sítio, mas faltou lá a Mªa de Jesus, tive muita pena.

Beijinho grande
Obrigado pelas palavras, estou contente que o achasse bonito.
Natalia
rosafogo a 3 de Junho de 2009 às 20:51

Por ter lido isto tão belo,e tão á minha maneira
já a coloquei como amiga
adorei muito muito
bravo,não páre
um grande abraço,amiga.
Casimiro costa
casimirocosta a 3 de Junho de 2009 às 10:51

Oi! Amigo Casimiro

Que bom tê-lo por cá, obrigado pelas carinhosas palavras, acredito sinceramente que tivésse gostado, porque o amigo também é um poeta, cuja poesia é bem nostálgica. Eu tenho para mim que os poetas são na sua maioria pessoas sentimentais, sempre sentem um pouquinho de insegurança, sofrem são sensíveis, afectivos, mas são mesmo assim não há volta a dar.

Obrigado pela sua força, a mesma que lhe dirijo
com um abraço
Natália
rosafogo a 3 de Junho de 2009 às 20:58

Nem queiras saber! Este teu poema lembrou-me um desenho que fiz há bem pouco tempo. Era tal e qual uma leitura pessoal do desenho. Pessoal, porque as minhas raízes não desistem assim! Posso ter perdido folhas e frutos, mas as raízes ainda estão presas à terra e o tronco apenas aguarda o crescimento de novos rebentos. Talvez não cheguem a vir. Talvez as raízes sejam apenas teimosas.
"... talvez seja mais um dos meus delírios
ou talvez uma forma de defesa..."

Abraço grande! :)
poetaporkedeusker a 3 de Junho de 2009 às 15:23

Bem amiga, nem quero pensar, que decifrei o teu desenho, tão bem, tão bem que até tu estás admirada.
Minha querida Poeta, fizéste um desenho tão triste quanto o meu poema? Pergunta minha!!!! Eu sei bem de como és persistente, de como as tuas raízes estão bem presas nos poemas que com mestria vais criando.Não perdeste nada,
com a mesma força sempre, nasce de ti toda a arte com que nos presenteias, como se fosses uma nascente. Parabéns.

Abraço para ti com carinho

Fiz mesmo, amiga! Mas estou a começar a melhorar um pouco. Até já sorrio como dantes!
Bjo!

Olá Natália,
Obrigado pelo teu comentário no meu blog e poesias.
Tentei mandar-te um mail, mas foi devolvido, com a informação de que o endereço foi anulado por falta de utilização.
Torrejano, como tu, gostaria de poder falar e conhecer-te. Até porque gostaria de uma opinião tua (e de mais pessoas) franca, frontal e sincera sobre a minha poesia... Preciso desfazer uma indecisão!

Queres contactar-me pelo MSN? Tens MSN?
Fico à tua espera, aqui ou através do MSN: victor.dias@live.com.pt

Um beijo.
Victor
Paulo César a 3 de Junho de 2009 às 17:08

Olá Victor

Fiquei feliz e orgulhosa, por encontrar mais um Torrejano a escrever poesia e tão bela como a tua!
Como vês a minha é bem simples e não serei a pessoa indicada para te dar opinião, mas no meu leque de amigos virtuais,
muitos escrevem maravilhosamente e neles sim podes confiar. Tenho a certeza de que não deixarão de dar a opinião de
que necessitas. Porém a meu ver só necessitas de a divulgar, porque a tua poesia, quanto a mim é linda, nada de indecisões, o teu caminho está traçado és um poeta de mão cheia.Mas se insistes, comenta os blogs, que por aqui vês e logo te surgirão amigos de verdade. No entanto conta sempre comigo, vou deixar-te aqui o meu mail, porque o do perfil,
me parece foi anulado.
natalia.nuno6@gmail.com - como não sei muito bem lidar ainda com este mundo virtual, aguardo que uma filha
diga como fazer com o MNS.

Estou deveras satisfeita, porque não esperava que tão prontamente entrásses em contacto, mas aguarda que eu divulgarei o teu blog na minha próxima postagem.Ainda quero dizer-te que sou da aldeia das Lapas, de onde saí bem nova
mas que ainda visito de vez em quando, porque lá permanecem familiares.

Abraço
Natália
rosafogo a 3 de Junho de 2009 às 21:30

Olá Amiga Natália. Muito bonito este soneto. Talvez uma dose um pouquinho de nostalgia, Mas quem sou eu para falar, se eu sou o pior? Mas tenho que confessar que gostei muito. E adicionei. Por isso não fiques triste por eu dizer que é nostálgico. Sabes amiga quando olhamos para o passado e o vemos tão longe, a nostalgia vem inevitavelmente. Um beijo Eduardo Gonçalves.
Fisga a 3 de Junho de 2009 às 17:35

E a ti, meu bom amigo, que sempre me achas triste, mas que sempre gostas, afinal tu tambem és um sentimental, a tua escrita também é repleta de sentimento, de nostalgia do passado, enfim, quem nasceu assim como é hábito dizer-se, tarde ou nunca se endireita verdade?!
Olha Amigo, obrigado pelas tuas sempre amáveis palavras, que vindas de ti eu sei serem muito sinceras. Obrigado, volta sempre

Um abraço
Natalia

OI Amiga Natália. Como nós nos entendemos bem, afinal somos um pouco das mesma massa. e sentimos os mesmos problemas. É o destino. Ao qual não podemos alterar a meta. Beijinhos Amiga do coração. Eduardo Gonçalves.
Fisga a 4 de Junho de 2009 às 19:59

Além vai uma mulher perdida, todos dizem bem a vi. Todos falam e murmuram e ninguém olha para si. Pois é amiga Natália. Esta coisa do agreiro nos olhos dos outros é bom de ver o que é difícil, é ver a estaca nos nossos. é o destino. Gostei do Teu comentário pela oportunidade, é muito verdade o que dizes obrigado Gostei, onde elas entram à justa é que é mete-las. Um beijo e bom fim de semana. Eduardo Gonçalves.
Fisga a 5 de Junho de 2009 às 15:51

Olha amiguinha Natália: Eu acho que já comentei e adicionei este poema que é lindo Mas na dúvida vou comentar de novo. É só dizer-te que adorei e está muito a tocar o sentimental, daquilo que é a tua própria vida. É maravilhoso. Um beijinho E tudo de bom Para ti, Eduardo.
Fisga a 4 de Junho de 2009 às 17:02

Que lindo, meu amigo, como sabes apreciar as palavras que eu escrevo e sinto naqueles momentos em que a vida pouca alegria me dá. Mas o meu lado triste é assim e a minha poesia vai ser sempre assim. Por outro lado há a parte boa as horas mais risonhas que no prato da balança ficam sempre um , pouquinho aquém, mas também sou divertida tal como tu.
És bem simpático, obrigado por mr levares lá para os teus favoritos.
Já tinhas comentado, mas e então que mal faz?! Eu já estranho é quando tu só não vens cá mais vezes.

Gosto sempre de falar contigo
Um abraço
Tua amiga Natalia

Amigo
Não ligues á estrelaemo, coisas da minha neta, que andou para aqui a criar um blog e eu não sei como fiz, mas saíu
com a resposta ao teu comentário com o nome do blog da miúda.
Desculpa, não te assustes que eu sou a mesma.
Beijinho
rosafogo a 4 de Junho de 2009 às 23:49

Natália

Quase não chegava cá, venho de fugida, desculpa, o tempo ultrapassa-me sem piedade, mas a minha/tua teimosia fez-me parar aqui para te dar um beijo com todo aquele carinho que tu sabes!

Tu mulher, és assim
Nostálgica, alegre, doçura
Talvez teimosa até ao fim
Mas sempre enorme...criatura!

Beijinho, amiga
Utopia das Palavras a 4 de Junho de 2009 às 22:35

Ausenda

Fico sempre muito feliz com as tuas palavras e com a tua presença, mas compreendo que nem sempre tenhas oportunidade e não quero de modo algum que te apoquentes. Boa amiga, há mais marés que marinheiros , e se não podes tu cá vir, irei eu , porque eu estou sempre á espera que chegue o dia.

O teu carinho me adormenta
É um tesouro, tenho -o guardado
Tua poesia essa me alimenta
É pedaço do céu que me é dado.

Dizes bem amiga, sou mesmo teimosa, nostálgica e também alegre quando calha.

Bom fim de semana, que já se avizinha e um beijinho com carinho
Natalia
rosafogo a 4 de Junho de 2009 às 23:16

Olá, peço desculpa por este comentario ser “standart”.
A intenção é pedir desculpa de ter aparecido pouco no teu Blog, o “Dancing” tem-me estado a dar uma trabalheira, qdo tdo passar voltarei a visitar-te e a comentar-te assiduamente como antes.

Pk os amigos nunca se esquecem…


Beijos & Abraços
Stadler & Waldorf a 5 de Junho de 2009 às 12:11

Amigo Free

Os amigos não se esquecem é bem verdade e a prova disso é que aparesceste, obrigado por isso.
Virás quando tiveres oportunidade, eu não quero preocupações comigo, eu sei quem são os amigos, por isso os escolho a dedo.
Agora estou lembrando. que tenho de ir espreitar o «dancing»
Até já
Beijinho
rosafogo a 5 de Junho de 2009 às 17:04


mais sobre mim
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
3
4
6

7
9
10
12

14
16
17
18
20

22
23
24
26

28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro