Quarta-feira, 22 de Julho, 2009

Como a minha máquina, não tem muito alcance, eu gosto mais de fotografar pormenores,

e nestes passeios em grupo, é díficil parar muito tempo para se fotografar como deve ser, daí para podermos aproveitar, são tiradas um pouco à pressa e esta é inimiga da qualidade.

Melhor ou pior a mim não me escapa nada, já o meu marido se não lhe dão o tempo, prefere não tirar, as dele estão muito melhor que as minhas, mas estou na aldeia e só trouxe o meu computador, então fiz este slide com algumas onde se vê um pouco as praças e os monumentos das cidades visitadas, começando por Budapeste, Bradislava, Viena e por

fim Praga.Estas dão talvez para ver mais o estilo de arquitectura que é comum a todas as cidades.

Ainda não tive tempo para lhes pôr o nome, mas brevemente porei um slide  de melhor qualidade e legendado.

 

Anoitece em Budapeste

 

É noite, noite mágica em Budapeste

Nas margens do Danúbio me sinto sábia, ou vidente

Tomo no rosto a aragem que vem de leste

Na Vida nada se repete, a gente vê e sente

A lua  se ergue redonda ,prateada e nas águas espelhada

E eu duma alegria infantil tomada,

Respiro a magia e no meu pensamento

Arrebatadores sonhos de encantamento.

Mas  nem assim é possível quebrar a solidão!?

Olho agora a cidade iluminada, brilhando

Hoje, não escreverei nem mais uma linha, deixo o coração,

Aqui na colina de S. Geraldo, onde ele se vai aquietando.

 

Cidade agora iluminada com o contributo do meu olhar

Fico boquiaberta perante  tantas belezas

Imersa em meus pensamentos numa ânsia que não posso negar

Quero tudo ver, com a benção de Deus que me dá certezas.

Não vou esquecer nunca ! Como queria que o tempo parasse.

Aqui, me sinto de bem com a Vida, do mal afastada

Há musicalidade em tudo é como se todo o Mundo se amasse

Na tranquilidade e paz desta noite já avançada.

 

Num momento transcendente esqueço que estou presente

Sonhando ser grande, apesar da minha pequenez

Sentindo, como só o poeta sente

Esta beleza que o tempo inbatíbel, não desfez.

Neste Mundo onde me sinto quase nada

Hoje sou uma estrela, só mais uma estrela cadente,

Neste céu de estrelas de brilho incandescente.

Nesta cidade de beleza rara, ao rio abraçada.

 

Estranha melodia, se atravessa, à minha partida

Cidade luz, que fará parte da viagem da minha vida.

 

Poema feito em Praga, dia 16/7/2009

 

publicado por rosafogo às 19:12

Que maravilha, amiga Natalia.
Só mesmo um poeta sente e vive as coisas desta maneira,vive e sente cada pormenor das coisas por mais simples que sejam.Fico feliz, ao ver tanta felicidade neste poema.
Que bom amiga
Casimiro Costa
casimirocosta a 22 de Julho de 2009 às 21:20

Olá Amigo

Estas são realmente, vaigens que nos preenchem, dilicia-se o olhar e alma também se regozija. É, fantástico tudo o que se vê e a harmonia que se sente.
Casimiro, obrigado pela preença amiga
Um abraço
natalia

Amigo

«queria ter dito viagens» me desculpe

beijinho bom fim de semana
natalia
rosafogo a 24 de Julho de 2009 às 14:31

Olá amiga Natália. Quem ler este post. Não precisa de te perguntar se gostaste da voltinha, a resposta está nas entrelinhas. Todo ele transpira a tua alegria e felicidade. E eu fico feliz por ti. Parabéns. Estou ansioso por ver o slid cheio de fotos. Um beijo Eduardo.
Fisga a 23 de Julho de 2009 às 15:37

Ainda não tinha tido tempo para responder, embora já tivesse lido oteu comentário, sabes amigo Eduardo isto de ter netos é uma trabalheira, vieram comigo estes dias para a aldeia e aqui passam a Vida esfomeados.
Então e tu estás bem? Sempre nos encontramos no sábado?
Aguardemos então, fica bem
Um beijinho
natalia

Olá amiga Natália. Sobre o nosso encontro até à hora em que estou a responder ao teu comentário tudo aponta para que seja uma realidade, o que começou por ser uma possibilidade, vamos ver se não surge nada, mas a esta hora espero bem que não. São 16 horas já não deve haver alteração de planos. Um beijinho até amanhã o mais tardar. Eduardo.
Fisga a 24 de Julho de 2009 às 16:17

Querido amigo

Espero que tudo te corra de modo a nos encontrarmos.
Obrigada, por me teres vindo trazer essas notícias, fico contente que possas ir.

Um abraço
natália

Olá amiga Natália. Espero que ainda estejas a descansar, porque a um dia de Sábado, Ainda é muito cedo para estar de pé. Mas como podes constatar pelas horas eu já estou de sentinela. Vou dar-te uma má notícia. O nosso encontro Marcado e selado ainda ontem, já está no cesto dos papéis. Hoje ás 7,05 horas, tocaram-me à campainha era a fazerem-me a entrega das netas, Porque os pais vão trabalhar os dois Era a pedirem-me para elas cá Ficarem para amanhã. Porque o pai vai entrar de serviço às 8h da manhã, sai ás 16h e volta a entrar ás 00,00h e sai amanhã Domingo ás 8,h da manhã. Ele trabalha nos Correios centrais em Lisboa. E a mãe das meninas, entra às 10h no centro comercial Colombo, sai ás 14h e volta a entrar ás 18h. até ás 22h. É época de férias e falta muito pessoal, dá estes horários malucos e os avós também acabam levando por tabela, Estou furibundo, com isto tudo, embora não esteja a tornar culpas a ninguém e muito menos ás meninas. Olha minha querida amiga, Eu assim perante a situação em presença não posso ir a um sítio onde teria a oportunidade única, não de te conhecer pessoalmente, o que seria um grande prazer para mim, mas também onde poderia certamente conhecer mais amigos e amigas. Eu depois em tempo oportuno tentarei contactar a organização no sentido de adquirir um livro. Não será autografado como eu gostava, mas paciência. Amiga Natália, depois de leres se quiseres podes destruir este comentário, que não o é. Mas eu não tinha outro meio de te contactar, desculpa. E bebe lá um cafezinho com as outras amigas que lá estiverem e pensem em mim, enquanto bebem. Um beijo e desculpa. Desejo que tudo te corra como tu tens planeado. Eduardo.
Fisga a 25 de Julho de 2009 às 07:59

Eduardo, que pena tenho que não possas ir, mas eu sei bem como é a vida, temos que estar sempre na rectaguarda, para os ajudar e se não formos nós, quem o fará?É assim amigo, não te preocupes que eu mando-te o livro, depois falamos sobre isso. Tenho pena por ti pois seria certamente agradável, passares um bocadinho na nossa companhia.
Pensa que haverá mais oportunidades, olha Eduardo eu também adorava que a minha filha mais nova fosse e também ela trabalha, e a mais velha vou passar pelo trabalho para ela poder ir comigo, por isso vês que não são só os teus e olha
felizmente que têm trabalho e que Deus lhe o conserve.

Fica bem, passeia as netas lindas e tudo bom para ti
um beijinho com muita amizade~
da amoga natalia

Este i fica tão próximo do o que sempre me deixa ficar mal

Querido amigo Eduardo
o beijo é da tua amiga
natalia
rosafogo a 25 de Julho de 2009 às 13:26

Olá Minha querida amiga Natália. Obrigado, estou muito feliz, a pesar de todos os males, por ter em ti uma amiga que compreende as agruras da vida, porque também tu depois de seres mãe és avó e compreendes. Obrigado mais uma vez. Espero que tenha tudo corrido muito bem e que se tenham divertido muito e conhecido muito gente. essa é a minha grande pena. pois, até a troca de mensagens, ganha outra dimensão, quando estamos a escrever para alguém que conhecemos, eu sei dar o valor a isso, porque conheço a Maria João Poeta e sei o que sinto , quando estou a escrever para ela, sentimos que está por detrás da tela alguém de quem podemos visionar, ainda que mentalmente a cara, e isso é muito gratificante. Quanto ao livro minha amiga, vou ficar-te muito grato para sempre, por te ofereceres para me o fazer chegar à minha mão e autografado e tudo. depois eu mando-te o meu endereço e tu mandas pelo correio a cobrar no domicilio. és um amor de pessoa. Beijinhos e tudo de bom para ti minha amiga. Eduardo
Fisga a 26 de Julho de 2009 às 09:38

Tao bonito, tao profundo...
Adorei continua...


Beijinho e boa sorte!
tupperwares a 23 de Julho de 2009 às 16:34

Ainda bem que gostáste, deixáste generosas palavras as quais te agradeço muito

Um beijinho e bom fim de semana
volta sempre
natalia
rosafogo a 24 de Julho de 2009 às 14:13

Magnífico este teu hino a Budapeste! Olha, tu não me levaste a mal aquelas brincadeiras todas em torno da figura mitológica de Pã, pois não? Acabei por fazer um pequeno post com duas representações dele no http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs. sapo.pt/ ... o Fisga dizia que não encontrava representações dele e eu encontrei uma quantidade delas! Não há dúvida de que era um semi-deus muito maroto, mas eu acho-lhe graça...
Abraço grande!
poetaporkedeusker a 23 de Julho de 2009 às 17:30

Olá Maria João

Fui ontem ver-te já tarde, e achei que estás bem, bonita, com um sorriso um pouquinho apagada
e isso em ti não é muito natural.
São dias, depois logo nos recompomos, a vida às vezes é madrasta, mas que fazer. olha amiga haja
pelo menos saúde física e mental, digo isto, porque às vezes sinto-me um pouco saturada de tudo.

Tu que tens tanta simpatia com os Deuses, pede-lhes ânimo para ti e para mim.
Já fui ver o Pã afinal não é feio, mas era a ideia que tinha dele, feio mas que tocava maravilhosamente flauta, aí
dá para esquecer o resto.
Beijinho grande, bom fim de semana, descansa
natalia




:) O Pã até era engraçado, não era? Olha, toda a gente me anda a dizer que estou, outra vez, com um ar muito cansado... mas eu estou bem mais gordinha! Já recuperei aquele montão de quilos que perdi por altura da Páscoa... mas ando cansada, ando... cansada e olheirenta. Bom, vai ter de passar porque eu tenho muito que fazer! :)))
Vamos sentir-nos melhor, amiga! Vais ver!
Bjo!

Deus te ouça, amiga, que eu também me sinto em baixo.
A semana passada foi boa, por um lado, mas muito cansativa por outro.
Estou a precisar duns banhitos no mar.

Beijinho grande
natalia
rosafogo a 24 de Julho de 2009 às 15:01

Natália. Porque será que se escreve doutra forma quando não estamos na terra! Eu sinto isso muitas vezes, a falta das coisas, e os olhares de outras, fazem a mistura de um arco-íris de esperança e saudade.
Beijinho e tudo de bom,bfs Lisa
maripossa a 23 de Julho de 2009 às 23:11

O ambiente ali é magico, encontramos centenas de estátuas, monumentos religiosos, tudo é secular, mas harmonioso
ficamos como que embriagados, o olhar nada quer perder e é uma ansiedade, mas ao mesmo tempo uma paz
indescritível, até nem apetece sair de lá, é triste ao olharmos pensarmos que tudo ali fica e para nós ser´
possivélmente a última vez que olhamos. É um sentimento que nod domina, mais a quem é sensível penso.

Amiga Lisa oxalá tudo contigo esteja bem. desejo um bom fim de semana
e deixo-te aqui um beijinho terno
natalia
rosafogo a 24 de Julho de 2009 às 14:28

Olá Lapera...

Passei par te dizer olá e para te lembrar (até parece que esqueces...) que amanhã é o grande dia!!!
Já vi a "crónica fotográfica" da viagm e fiquei deslumbrado!

Quanto às palavras, devo dizer-te que prefiro as que li n' O Almonda, que já assinei e que já recebi. Parabéns!
A gente de Lapas deve andar toda babada por ler palavras tão "vivas" acerca de si...

Espero por ti ao virar da esquina do tempo... da vida, com um sorriso largo e um beijo de amigo.

Felicidades e calma, para amanhã.
PS.: Espero o livro autografado!

Beijo
Paulo César
Paulo César a 24 de Julho de 2009 às 17:45

Meu querido amigo

Hoje sinto-me mesmo Lapeira, não me passa pela cabeça como é que é uma sessão de lançamento dum livro e me encontro um pouco à nora, acho que antes queria ir até à beira do meu rio Almonda e ter uma conversinha a sós com ele.
Mas a Vida tem destas coisas e até há pouco tempo, me acanhava de ir a sessões de poesia e agora vou com relativa facilidade e leio as minhas poesias e sou bem aplaudida.

Mas sou corajosa, diz lé se não?!
Então leste no Jornal «Companheiros de Infância», está engraçado, as lapeiras gostaram muito, já me telefonaram,
para que continue.

Havemos de nos encontrar, por aí, tenho uma sobrinha a viver aí desse lado, um dia destes vou tomar um café contigo
e com ela, para mim seria uma alegria.

Amigo, tal qual como me emociono a toda a hora, também não sou muito calma, mas eu que sou mãe comparo isto
ao primeiro parto é de tal forma a ingenuidade que não se sofre antes de tempo. Amanhã sim ficarei nervosa, mas vou
ter lá uma filhota e vou conhecer alguns amigos virtuais.

Obrigada por me deixares estas palavras, vou sentir-me mais confortada.

Um beijinho com muita ternura
da lapense natalia


rosafogo a 25 de Julho de 2009 às 01:27

Rosafogo (Natália):

Muito bom poema de viagem, poeticamente bem descritivo do ambiente que a abraçou de poesia aí pela cidade de Praga, diferente, sobretudo em vistas e arquitectura, das nossas cidades, por isso também diferente em poesia. Viagem que ficará a ser um ramo singular, inesquecível, da total viagem da sua vida.
Acho que a Natália embebe o seu poema de sentimentos em tal medida, que pode dizer-se que o seu espírito paira ao longo de todo o poema, como se fosse ele que o escrevesse e viajasse através dele, feliz e como que fora do seu corpo.
A Natália escreve maravilhosamente bem e com simplicidade e, embora não a veja escrever, penso que o faz com facilidade, ou espontaneidade. Mas, se me permitir, e não me leve a mal, porque, como já sabe, ligo a que se escreva correctamente, terei de lhe dizer que tem, em tão maravilhoso poema, uns errinhos, que, embora nada deslustrando tão linda e sensível obra poética, sempre seria melhor que não estivessem por aí.
Desculpe, Natália, o meu reparo, e não se aborreça, porque, como sabe, é feito com simplicidade e boa intenção.
Olhe, grande poetisa Natália, quem me dera ter o seu estro poético, a sua facilidade, escrever tão belos e tão sensibilizantes poemas com o você o faz.

Um beijinho.
Mírtilo
Mírtilo MR a 24 de Julho de 2009 às 23:27

Amigo Mírtilo

Estou a responder ao comentário, já um pouquinho tarde, porque houve festa aqui na cidade onde vivo e as minhas filhas fizeram questão que fosse com elas, e para ser sincera também me apetecia, eu sou muito rapioqueira, gosto muito
de tudo o que a gente nova gosta, se houver música lá estou. Não queria deixar passar de hoje sem lhe agradecer
as generosas palavras, acerca do poema que não foi difícil de conseguir, porquanto a nostalgia e a harmonia daquelas paragens, faz de qualquer ser que seja sensível um poeta.Tal como diz, escrevo com facilidade a poesia melhor que prosa, e raramente depois de nascer um poema lhe faço qualquer modificacão, daí, também sair com uns errozitos... como eu precisava dum puxão de orelhas.Fico-lhe muito grata pela chamada de atenção, assim creio que emendei o que me tinha passado.
É sempre muito bom ler suas palavras, dão-me imensa felicidade e nem sei muito bem como lhe expressar a minha gratidao.

Um beijinho, fique bem e bom fim de semana
natalia

rosafogo a 25 de Julho de 2009 às 01:44

Amiga ,eu gostava de fazer parte do seu lote de amigos, como a amiga fáz parte dos meus.
Desculpe, mas não me adicionou e estou triste.
Estou a brincar a serio!
Um abraço amiga
Casimiro Costa
casimirocosta a 25 de Julho de 2009 às 21:45

Amigo Casimiro

Agora quem está triste sou eu, será que me passou uma coisa destas! Dou comigo a pensar, que já não dou conta do recado, claro que é com o MAIOR gosto que o íncluo e é para já!. Mas o amigo sabe muito bem que não é por mal, isto é do peso dos anos, mas26c565 é sempre será um bom amigo.

Abraço com carinho
natalia
rosafogo a 25 de Julho de 2009 às 23:08


mais sobre mim
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4

6
7
10
11

12
13
14
15
16
17
18

20
21
23
24
25

27
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro