Domingo, 04 de Novembro, 2007

Há dias em que  sem qualquer esforço da minha parte, de súbito surge um poema quase a gritar por socorro.

Percorre-me o pensamento e é como alguém que vem de longe com grande necessidade que o recebam, então estendo-lhe a mão e transponho-o para o caderno de poemas, onde protesta por ficar ignorado ou fechado na gaveta.

Então hoje venho soltar, mais um!

 

 

Passos apressados

  

 

Juntam-se os cacos da Vida

Feita de passos apressados

Numa aventura sofrida

Sempre com sonhos adiados.

 

 

Chega-sa ao cimo da colina

De onde não se vai regressar

O silêncio é quem domina

E a saudade é livre de recordar.

 

 

Fecham-se os olhos já saudosos

De instantes de prazer vividos

E na solidão, há sonhos harmoniosos!

 

 

Mas já de tudo despojados!

Que nos interessam os sentidos?!.

Se são despojos quebrados?!.

publicado por rosafogo às 17:31

mais sobre mim
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

7
8
9
10

11
15
17

24

25
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro