Sábado, 27 de Dezembro, 2008

Esta poesia que vou aqui deixar hoje, foi  das primeiras feitas por mim, naturalmente fala

de mim e dos tempos da ingenuidade, quando eu era como uma flor a abrir, quando o Mundo era só meu,quando tudo era alegria e espontaneidade,tudo ou quase  tudo era perfeito.

 

Moça, menina

 

Moça, menina

Vestida de vento

Altiva e ladina

Vive só o momento!

 

Gargalhada aberta

Os olhos tens verdes

Tudo em ti desperta

Vê se te não perdes!

 

Tu és a saudade

És o livro aberto

És a Liberdade

És o Céu por perto!

 

Menina, criança

Tristeza, alegria

Quando a noite avança

Teu dia, ainda é dia!

 

Nos cabelos, luar

Na boca cerejas

Nos olhos tens Mar

Que mais tu desejas?!

 

 

 

 

 

 

 

publicado por rosafogo às 22:15

depois de ler este poema pensei numa coisa: esta menina era feliz mas não tem uma coisa que eu tenho uma avó, como a minha!!!

Os meus Parabéns avó!!!
de: Margarida (neta)
rosafogo a 19 de Janeiro de 2009 às 17:11

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
5

8
10
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
24
25
26

28
31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds