Sexta-feira, 16 de Janeiro, 2009

O tempo não pára e atropela tudo quanto nos é querido.Agora que a Vida já vai a jusante, recordar o nosso rio desde a nascente é bom, apesar de termos que lembrar também

dos episódios menos felizes.Eu sou muito feliz quando volto às raízes, quando me encontro

com os rapazes e raparigas, companheiros dos meus verdes anos. Regresso sempre na esperança de voltar a vê-los e de festejar com eles mais um ano de vida.

 

Hoje talvez  fosse a saudade que trouxe consigo esta poesia

 

E o tempo acenando

 

O tempo perde-se, a vida pouco dura!

Mas a Vida assenta no tempo que resta

Na memória, lembranças plenas de ternura

No final deste trilho, nem todo ele de festa.

 

Das coisas partilhadas

Dos passos que juntos demos

Houve choros, também gargalhadas!

 

Tempo ganho, tempo perdido

Fomos à fonte bebemos!

Do real, irreal, desmedido

 

Amámos, perdoámos e tudo o tempo levou!

Num recondito da memória ainda sentida

Rasgaram-se feridas e tudo o tempo sarou!

Mas agora acenando não retarda a partida.

 

 

 

publicado por rosafogo às 16:01

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
7
8
9
10

11
12
15

18
19
20
22
23
24

27
28
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds