Sábado, 17 de Janeiro, 2009

As palavras, são sem dúvida bálsamo, para acreditarmos e seguirmos em frente.

 

Hoje vou deixar uma poesia há muito escrita, mas que eu achava inacabada, porém ao

lê-la de novo creio que diz tudo, no fundo é um desabafo, talvez uma queixume.

 

Poema triste

 

Já de pranto molhado,

meu rosto eu quero esquecer

O ânimo tenho cansado

Deixo o espelho não quero ver!

Que espanto, com que desdém!

Ao meu rosto faço censura

No espelho?! Não vejo ninguém!

Onde havia Sol é noite escura.

 

Quero ficar de mim  esquecida

E  que ninguém tenha pena!

A vida pregou-me a partida

Seco as lágrimas, fico serena.

publicado por rosafogo às 21:41

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
7
8
9
10

11
12
15

18
19
20
22
23
24

27
28
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds