Domingo, 25 de Janeiro, 2009

Cheguei à aldeia e foi o desânimo, todas as plantas estavam queimadas das geadas, até as recolhidas se perderam. Não restava nem uma flor no jardim até as mais resistentes tinham morrido, tudo parecia pedir ajuda. Quando  habituados que estamos a mergulhar

a vista num mar de flores de cores variadas, viçosas ,alegres, parecendo estar à nossa espera, ontem foi uma tristeza, tudo estava sem vida.

 

Àguas passadas

 

Cansei  de tantos passos caminhar

Quebrei meus braços, de tanto embalar

Deixei meus olhos num pranto de mar

E agora no silêncio, dou comigo a recordar!

 

Deitei mãos à vida, sonhei! E a sonhar

Cheguei cansada, de tanto me dar!

Esperei, desesperei, a sorrir e a chorar

Vi a vida passar...

Agora é seguir, e o meu querer sustentar

Àguas passadas?!Uma outra a renovar!

Sou agora ,um canto novo de esperança a realizar.

 

 

publicado por rosafogo às 20:15

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
7
8
9
10

11
12
15

18
19
20
22
23
24

27
28
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds