Segunda-feira, 26 de Janeiro, 2009

Às vezes não se sabe onde ir, nem o que fazer. Estes são os dias tristes! Até esta minha mão que alegremente costuma pousar no papel, hoje sente, não ser esse o seu papel.

 

Dia Tristonho

 

Hoje o dia, triste, nasceu!

Trouxe murmúrios do vento

A solidão em mim cresceu

E choveu mágoa em meu pensamento.

Nasceu o dia implorando

chorando de tanta nostalgia

E eu de tristeza chorando

Por ter perdido, mais um dia!

 

Pouco importa ser ou não ser

Triste, fico a  vegetar em mim

Hoje me divido, não quero saber!

Nem ao que estou, nem ao que vim.

publicado por rosafogo às 21:44

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
7
8
9
10

11
12
15

18
19
20
22
23
24

27
28
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds