Sexta-feira, 20 de Março, 2009

 

De quando em quando, fico triste, porque o não saber ou seja a ignorância é uma coisa tristonha. Eu quero aprender, ao ver fazer tudo entendo, depois de ficar sózinha, tudo se me varre da memória. Por vezes assento tudo no caderninho de notas, mas nem assim por isso

eu acho que é mesmo da idade, outros acharão que é muita informação duma só vez.

É que vejo tudo tão certinho nos outros blogs dos meus amigos e tristemente no meu há

sempre qualquer coisa que falha.

 

Hoje Sou

 

Hoje sou um triste castelo em ruína

Não resta pedra sobre pedra. estou ruindo!

Este tempo que os meus alicerces mina

É como um raio que não perdoa, vai caindo.

Hoje sou um velho castelo solitário

Sereno onde o tempo velho se faz sentir!

O  vento louco duma Vida  pouco solidário

Fazendo de muralha dura, que não quer ouvir.

 

Cai sobre mim negra tempestade

Ficou comigo só um estranho amor

E tanta emoção de poeta da saudade

Que  canta, até ter na fronte gotas de suor.

Onde floresceu Vida e foi Verão

É agora sombra dum vasto arvoredo

Estéril  já de amor e de paixão

Desfeito o coração e  com a alma a medo.

 

 

 

 

 

sinto-me: desmemoriada
publicado por rosafogo às 21:57

Quero começar por lhe dizer que gosto do seu blog. Acho que o personalizou com a introdução que sempre faz. Para além da publicação dos seus poemas que penso ser o objectivo principal, tem vindo a embelezá-lo com fotografias muito bonitas e com bela música (coisa que não sei fazer). Claro que este mundo da globosfera é um “mundo” e nós só agora começámos!...

O poema de hoje:

É bonito. Reflecte mágoa e pessimismo! Não acaba como é habitual, com um lampejo de esperança. Os velhos castelos merecem o nosso respeito e admiração e hoje são alvo de todos os cuidados de preservação e tratados como preciosidades pelos saberes que nos transmitem nesta herança dos tempos. Saber cantar as suas glórias é um dom maravilhoso!
Um beijinho amigo
Maria de Jesus
Maria de Jesus a 21 de Março de 2009 às 00:29

Olá

Eu sou muito palradora, daí a minha vontade de escrever sempre um pouco antes de postar a poesia.
A Mª. de jesus , sabe bem que eu me excedo um pouco, gosto muito de falar, de ouvir também e de cantar, nem se fala,
ás vezes sou divertida, nem sempre, porém se apanho companhia não páro. Ainda não me viu dançando!
Quanto aos poemas, na sua maioria saiem tristes, porque há sempre aquele lado difícil que eu não consigo calar
que é o estrago que o tempo nos vai fazendo. Cada dia que passa se torna mais evidente que o melhor da vida se vai escapando e aceitar não é fácil.

Mas vai-se vivendo, resta conformar-me
Bom fim de semana e obrigado por bocadinho de conversa de que tanto necessitava.

Um beijinho amigo
rosafogo a 21 de Março de 2009 às 19:57

Oi Maria de Jesus , não repare na forma como escrevi o seu nome no comentário anterior, estas coisas em directo ás vezes acontecem.
Boa noite para si
Um abraço
rosafogo a 21 de Março de 2009 às 20:06

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
21

23
25
26
28

29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds