Terça-feira, 21 de Abril, 2009

Este mimo, foi-me  oferecido pelo amigo Emanuel, do blog AmadordoVerso, com a simpartia que lhe é habitual. O meu agradecimento ao Poeta.

 

Antes de falar sobra a comida polaca, tenho que dizer que hoje passei a tarde, tentando meter no perfil esta rosa tirada por mim e não consegui, porque era grande, então veio o

meu neto que em poucos minutos procurou na net uma rosa vermelha e substitui a outra

florinha que simpáticamente aqui permaneceu todo este tempo. Resolvi o problema, porque

queria de facto a rosa, mas minha, como são todas  as fotos do Blog. Adoro fotografar flores

e quando passeio, nenhuma me escapa.

 

 

Toda esta conversa, só para os meus amigos me dizerem que ficou mais bonito o Blog e

que as minhas folres são lindas.

 

Agora sim a comida ,durante uma semana, não comemos senão carne, porque peixe apenas havia arenque e salmão fumado que a nenhum de nós agradava. A comida é saborosa, temperada de molhos agridoce, as carnes são variadas e na generalidade são grelhadas, com  saladas.

O prato mais conhecido são os Bigos composto por couve cozida, cogumelos e carnes picadas, dentro dum pão grande ao qual retiram o miolo.

Servem sempre sopa .A  melhor era de cogumelos bravos com massa. A sobremesa

era sempre o apreciado bolo do Papa João XXIII chamado Kremóka  muito simples parecido com o nosso bolo de anos. A bebida cerveja, porque o vinho não  era bom.

Já me esquecia de dizer que o pato é muito apreciado assim como o joelho de porco ambos assados no forno, também têm uma morcela de sangue com arroz, que me fez lembrar as da minha aldeia. Depois de tudo isto e de tanto caminhar regressei com o mesmo peso.

Espero tenham gostado da ementa, para mim o melhor era o ambiente sempre alegre e florido dos restaurantes talvez porque era Páscoa e eles vivem-na intensamente.

 

 

O Segredo

 

 

A noite instala-se, o dia fica distante

A Vida apressa-se, longe vai o passado

Resta agora ,melancolia, zumbindo inquietante

Fica o olhar num vazio desesperado.

 

O que a solidão dos anos faz?!

Fica-se na procura do tudo e do nada

Um sono mal dormido e de sonhar incapaz

E fica no peito, uma dor danada.

É o peso da vida, as costas curvadas

E vai-se contando o tempo, todo ele idade

A memória não responde, respostas caladas

E tudo o que a Vida nos ofereceu é já saudade.

 

Mas eu sou forte, é esse o meu segredo

O tempo é já pequeno, e algures dentro de mim

Há uma criança que do escuro tem medo

Deixo a noite correr, lembro o começo esqueço o fim

Porque sou poeta, sou ave que renasce

Ora morro, ora vivo, é este o meu viver

E logo passa a noite e o dia faz-se

É este o meu jeito, enquanto Deus quiser.

 

sinto-me: alegre
publicado por rosafogo às 21:30

.79.gif
beijinhos..
TiBéu ( Isa) a 23 de Abril de 2009 às 13:19

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
4

6
7
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
22
23
25

26
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds