Segunda-feira, 27 de Abril, 2009

 

 

Há memórias, que de vez em quando nos surgem e que são tão nossas, pertencem-nos tão por inteiro, que é difícil partilhá-las, não só do modo como as descrever, como também por serem tão nossas, pouco interesse têm para os outros. No entanto mesmo pensando ser assim , vou contar   UMA HISTÒRIA VERDADEIRA,( é o titulo duma pequena redacção, feita

pelo meu neto há cerca de dez anos) e que diz o seguinte:

 

Quando era nova a minha avó Tátá era muito namoradeira.

Um dia, farta dos namorados que tinha, pediu ao Stº António que lhe desse um namorado chamado António.

O Santo acedeu ao seu pedido. Conheceu um rapaz chamado António que era muito bonito e por quem ela se apaixonou. Acabaram por casar. Hoje o rapaz é o meu avô Tótó.

A minha Avó ficou devota do Santo António e, hoje em dia, quando precisa de resolver algum problema mais grave pede ao Santo. Diz ela que até hoje  Ele nunca lhe faltou.

 

Está  linda aos meus olhos, sou de facto devota deste Santo e a história que ele deve ter -me ouvido ou á mãe contar, é verdadeira , assim como quando preciso sempre alcanço a graça   que ao Santo peço. Este meu neto, recordo-o de pequenino sempre muito bem falante e muito atento, daí que com tão pouca idade tenha feito a redacção, que esteve exposta na sua escola durante a sua permanência nela.

 

Coisas do tempo

 

Minhas memórias guardo ciosamente

Ás vezes já um  pouco  suavizadas

Nunca, por nunca ser delas ficarei ausente

Até serem em mim ressonâncias apagadas

Ás vezes não tenho projectos para amanhã

O meu desejo fica no tempo parado

O meu sonho, o meu grito são toada vã

O meu caminho parece do Mundo isolado

 

Ás vezes sou p'las lágrimas ameaçada

Outras, dentro delas bem me sinto

Vertidas porque já é longa a caminhada

Ou de felicidade, duma esperança que persinto.

 

Ás vezes,  arranco um grito fundo do coração

Lembro com saudade do tudo p'ra nunca mais!

Outras,  deixo- me ficar na raiz da solidão

E com a saudade no peito de onde não sai jamais.

Ás vezes,  olho a Vida com humildade e gratidão

Outras vezes o meu rancor lhe arremesso!

Há dias que tenho perfumados a Alma e o coração

Outros,  em que com indiferença tudo esqueço.

 

Ás vezes,  sinto descompassado o coração

Deixo-me solitária no meu  canto  a meditar

Outras vezes, solto-me á Vida na  tentação

De viver  o tempo que me resta, e  a Vida amar!

 

 

 

 

 

 

sinto-me: contente
publicado por rosafogo às 22:04

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
4

6
7
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
22
23
25

26
28
29
30


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds