Domingo, 16 de Agosto, 2009

 

Na aldeia, que mais se pode fazer?! Ler, ouvir música, tratar do jardim depois do sol~pôr,

e dar uma voltinha já quase ao anoitecer, para apanhar o fresco da noite. Nesta aldeia, passa um rio de nome Sorraia, um rio de leito largo, margens cheias de curvas, onde

crescem imensos salgueiros, e outras espécies de vegetação mimosa verdejante, que

apetece olhar, nela pousam as garças, as galinholas de água, cegonhas e mais que eu

santa ignorãncia, não sei os nomes. Depois há também os grilos e as cigarras, que com o

calor enchem de melodia as margens e os campos em volta. E assim passam os dias

e  por aqui ando.

 

O poema que hoje deixo, fi-lo, duvidando se haveria de postar ou não, porque embora o tenha feito sentidamente, acho-o um pouco pobre... mas vou arriscar, me dirão os amigos o que acham.

 

Empurro a noite

 

Às vezes me encho de raiva

Fico inventando um pouco  de  felicidade

Quero que o Mundo saiba

Que sou criança!?  Só confundi a idade.

 

Solto meus anjos e demónios

Esqueço as insignificãncias da Vida

Meus risos são infinitos!

Meus choros?! Esses malditos!

A Vida é coisa esquecida

No meio das coisas perdidas.

Mas não me dou por vencida.

 

Empurro a noite, levo-a à minha frente

Já me perco um pouco da realidade

Esqueço o passado e até o presente.

Conservo só o sabor da saudade.

Criança sim sou!

Ou esqueci a idade?!

Lembro agora, só sombra estou.

Encontrei minha verdade.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por rosafogo às 20:36

rosafogo

Sinto-te numa de partida para outros lugares, outras pessoas a quem possas ver e conviver.

O mundo Virtua,l a partir de determinada fase, cansa e nós ansiamos por mais, não sabemos o porquê.

Procuramos outras pessoas, outras vivências, outras conversas, esquecemos umas, conhecemos outras.

Mas a tal felicidade, não se encontra aqui e ali, no saltitar de um lugar para outro lugar. Não existe, talvez!...

E eu senti, em ti, sem te conhecer, isso mesmo que acabei de dizer.

Se fosse infantilidade, tu não procuravas, nem te apercebias que a tinhas.

Então é maturidade, mal compreendida.

Quem pode, em verdade, lidar com a morte? Ninguém!

Eu, por exemplo fraco, não entro num Cemitério, não gosto dos Ciprestes e me confunde o Final! Medo? Talvez...

Vivo a minha vida - não sei se vivo, pois eu não sei viver! E quem me ler com atenção e amor, me conhece, sem dúvidas,
pois eu sou transparente como Cristal.

Sou diferente? Sim, sou diferente - mas ser diferente não significa nada de positivo - apenas contradicção.
Eu escrevo com notas altas e baixas de acordo com o sentir. Mas ser poeta é ser esquecido, mal entendido e abandonado
em qualquer altura.
Não confio nos amores prolongados,
Não confio na chamada Amizade...

Sei que tudo isso passa quando eu menos esperar e vou sofrer - pois a minha sensibilidade é doentia.

Eu seria feliz como pessoa comum - assim, não posso ser, pois analiso comportamentos humanos e pressinto
à distância o afastamento, inevitável, apanágio da natureza humana.

E no Mundo Virtual, não encontro o que procuro. No mundo Real, também só encontro decepcões e pesar!

Eu devia procurar e entender a "lógica", mas não tenho forças para isso.

Como vês, isto é quase uma confissão! Nada vou esperar, mas te entendo melhor, do que possas pensar!

Com amizade verdadeira,

Maria Luísa



mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
4
5
6
8

10
11
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


últ. comentários
Queria amiga Poetisa Rosafogo, Que das coisas simp...
Olá!Vim apenas fazer um teste, para ver se consegu...
Parabens pelo post. Falar de coisas simples por ve...
Acontece-me exactamente o mesmo, Natália! Depois d...
É assim Mªa João, dispersei-me e agora é tão difíc...
Também me perco imenso, Natália. Não penses que és...
Há séculos dizes bem MªJoão, bem que eu gostaria q...
Para mim também foi uma alegria encontrar-te Ause...
Obrigada PC é bom encontrar palavras amigas.Tento ...
Olá Martinha obrigada por vires ler, tenho andado ...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro